CRISE SETOR AUTOMOTIVO

“Recuperação branca” é solução para empresas de autopeças

Alternativa às recuperações judiciais pode salvar empresas do setor
A crise na indústria automotiva é de todos conhecida. Os índices deixam claro o quanto a instabilidade na economia e os percalços de uma política econômica com pouco poder de convencimento e ressonância na indústria são alarmantes. Declínio nas vendas, paralisações das fábricas, aumento de estoques, queda no número de empregos têm resultado em impactos nocivos, sobretudo, nas empresas de autopeças e outras ligadas ao setor. 

Neste contexto, a “recuperação branca”, compreendida como o esforço de renegociação de dívidas, substituição de garantias assumidas, acertos com todos os atores da cadeia de produção e vendas, no esforço de blindar as empresas de autopeças, tem se mostrado a melhor solução. 

Esta alternativa para as empresas, em substituição às recuperações judiciais, tem sensibilizado inclusive os credores e até mesmo administradores de programas governamentais de incentivo fiscal e financeiro. 

A renegociação das dívidas ou dos parcelamentos de financiamentos assumidos, além de comprovação aos credores de todos os esforços implementados pelas empresas do setor na tentativa de obter fôlego para passar por estes momentos difíceis mostra-se providencial, senão imprescindível, para afastar o fantasma das recuperações judicias, ademais quando estatisticamente resta comprovado que apenas 1% das empresas saem de fato recuperadas destes processos. O restante não sobrevive. 

Tem-se, portanto, a “recuperação branca” como absolutamente factível no contexto que estamos vivenciando para que, no que concerne à crise do setor automotivo, não sejam golpeadas de morte as empresas de autopeças, veias que fomentam de vida e cuja existência é fundamental para a sobrevivência do próprio setor. 

A “recuperação branca” não é só a solução, mas é a representação da somatória de esforços comuns, sem a polarização perniciosa e desigual entre credores e devedores em momentos de crise como estes.

Comentários